22 de nov de 2011

Coleção Obsessiva 5: A Obsessão Continua

O tempo se passou desde os últimos acontecimentos, ninguém mais ouviu falar de Luíza e Eduardo.
Os dois estavam sendo procurados insistentemente pela polícia, mais sem sucesso algum.
Enquanto isso, quatro jovens seguiam em viagem. Murilo estava na direção do veículo, ao seu lado encontrava-se sua namorada Sandra, enquanto nos bancos de trás permaneciam no maior amasso Rogério e Daniela. A música tocava no máximo, só clássicos dos Ramones. Estavam todos animados, seguiam para ver o show do Rob Zombie que teria na cidade próxima.
Porém os pneus do carro furaram, havia um tipo de arame farpado na estrada, talvez um armadilha ou para os menos paranóicos, uma brincadeira de mal gosto.
O sol batia forte naquela tarde e o calor estava insuportável, precisariam de algum telefone para chamar ajuda, além de água e alimentos. Rogério avistou uma fazenda ao longe e decidiram ir até la.
Porém, para que o carro não ficasse sozinho, Murilo e Sandra ficaram.
Rogério e Daniela caminhavam até a fazenda, a fim de obter alguma ajuda, enquanto andavam Rogério foi pego por uma armadilha e ficou de ponta cabeça. Daniela se desesperou, não sabia o que fazer. Seu namorado pediu calma, afinal aquilo era apenas uma coisa à toa, seria fácil de se resolver. Então ele pediu para que ela chamasse por Murilo, para que ele pudesse ajudá-lo.
Daniela correu até a estrada, porém eles não estavam mais lá.
_O que poderia haver ocorrido? - Pensou Daniela.
Então ela pegou um canivete qualquer no veículo e partiu em busca de Rogério, mas quando chegou lá, este já não se encontrava mais lá. Daniela muito paranóica pensou em tudo o que poderia acontecer:
"Uma família de Canibais atacou à todos, seria um novo Massacre da Serra Elétrica, seria alguma quadrilha de ladrões ou talvez membros de uma seita satânica tivesse sequestrado eles para realizar alguma oferenda?"
Com certeza muitos pensariam que ela seria louca, isto seria quase que totalmente improvável. Talvez Murilo e Sandra escutaram o grito do Rogério e foram até lá ajudá-lo por algum outro caminho e se desencontraram, então talvez eles ajudaram Rogério e foram até a fazenda. Sim, isto faria muito mais sentido, mas não na mente de Daniela, que por mais que suas idéias fossem consideradas absurdas, não seria um caso a descartar.
Daniela seguiu até a fazenda com toda a cautela do mundo, esta permanecia com o canivete em mãos caso fosse atacada,foi até a porta e tocou a campainha.
Alguém abriu a porta, era uma moça com seus 29 anos mais ou menos, dona de uma beleza inigualável e assustadoramente encantadora, seu olhar era estranhamente confiante e de certa forma sedutor e tinha um leve sorriso no canto da boca, o que passava uma sensação de segurança e ao mesmo tempo desconforto.
Foi assim que Daniela se sentiu ao vê-la, ela pareceu imóvel e estava totalmente desconfortável, pois desconfiava até da própria sombra. Porém ela tomou coragem e começou a falar:
_Procuro por meu namorado e mais dois amigos, os pneus de nosso carro furaram por causa de uma armadilha na estrada, saímos para procurar por ajuda e acabamos por nos perder.
A moça olhou fixamente para Daniela e disse em tom confiante e tranquilo:
_Bom, tem um rapaz aqui, ele disse ter sido pego por uma armadilha quando estava vindo para cá, mas por sorte se soltou e veio até aqui para pedir ajuda, neste exato momento ele deve estar telefonando. Se quiser entrar também, fique à vontade.
Por mais que a consciência de Daniela fosse contra, ela aceitou o convite e entrou. A moça conduziu-a até onde ela encontraria seu amado.
A casa da bela senhorita era muito bem conservada e limpa e transmitia uma sensação agradável aos olhos de qualquer um. Não seria o mesmo caso da sala principal, que possuía uma imensa variedade de caveiras e estátuas de criaturas, o que seria um problema para alguns.
Então chegaram até a uma porta no canto da tal sala, a moça parou olhou obsessivamente nos olhos de Daniela e disse:
_Bem, seu namorado está aqui, entre e fique à vontade, porém talvez demore um pouco a encontrá-lo.
Daniela não entendeu muito bem o que ela queria dizer com aquilo e por infelicidade abriu a porta. Então ela pode ver o que seria realmente um verdadeiro horror, haviam várias cabeças de pessoas de verdade penduradas em prateleiras como se fossem algum enfeite ou coleção, então ela conseguiu localizar o rosto de seu amado, como não suportou o que viu, caiu e desmaiou num sono profundo.
Enquanto isso, mais à frente na estrada estavam Murilo e Sandra, pois de longe ouviram gritos de socorro e foram ver do que se tratava, se adentraram ao mato e viram que tinha um rapaz de boa aparência mas de certa forma numa situação muito ruim. Uma de suas possíveis muletas acabara de quebrar e ele estava sem condições de andar.
Tiveram pena dele e se ofereceram para ajudá-lo, por sorte ou por azar deles, o homem era o dono da fazenda e lá vivia junto de sua esposa. O homem se apresentou, seu nome era Eduardo, um rapaz forte e cheio de vida, porém estava numa situação ruim, segundo ele fazia pouco tempo que ele havia sofrido um acidente na estrada e não conseguia se manter em pé sem a ajuda das muletas.
Murilo e Sandra carregaram Eduardo até a fazenda, quando chegaram lá, deixaram Eduardo recostado na cadeira e tocaram a campainha. Veio uma mulher atendê-los, Murilo logo abriu seus olhos e percebeu o quanto ela era linda, mas de certa forma não formava um bom par com Eduardo, pois ela mantinha uma aparência calma e decidida enquanto que no rosto de Eduardo dava pra se perceber a aflição e o clima de ansiedade.
A mulher os comprimentou e os agradeceu pelo gesto, e puniu severamente Eduardo por ser tão irresponsável a ponto de sair sozinho no estado em que estava. Eduardo fechou seu rosto, o clima entre eles não parecia ser um dos melhores. Para cortar a tensão, Sandra se apresentou e apresentou também seu namorado e contou a eles a situação, o porque de estarem ali.
A mulher então se apresentou, seu nome era Luíza, e disse-lhes:
_Um de seus amigos, tal de Rogério, está descansando lá dentro, enquanto ele vinha para cá torceu o pé, sua namorada o trouxe e foi atrás de vocês para anunciarem o ocorrido.
Eduardo propôs a eles que esperassem pela garota ali, pois já estava ficando tarde, porém Murilo pediu uma lanterna emprestada para ir até onde Daniela estava segundo as informações de Luíza, enquanto que Sandra ficaria ali esperando por ele.
Ficaram todos de acordo, o rapaz saiu em busca da amiga e deixou Sandra ali.
Logo depois de uns 3 minutos, Eduardo se levantou sozinho de sua cadeira, como se não houvesse problema algum com ele, a namorada de Murilo olhava indignada aquela cena. Eduardo andava em direção a ela e Luíza, esta ria como se estivesse vendo uma cena de filme de comédia, dava gargalhadas. A garota começou a correr e a gritar, mas Eduardo foi mais rápido e a segurou e tampou sua boca afim de abafar o barulho, Luíza correu em frente a eles e a ameaçou com uma faca caso ela gritasse novamente. A garota então conseguiu se conter e perguntou o que eles fizeram a seus amigos.
Luíza num to irônico disse:
_Não se preocupe, seus amigos estão se divertindo muito, ou um deles já se divertiu e cansou, agora é a sua vez.
Levaram-na para dentro da residência, já era noite, Sandra estava tremendo e não era pra menos, estava apavorada a coitada. Adentraram a sala e foram até a portinha do canto, quando abriram, Sandra não se conteve, começou a chorar como um bêbe com dor de barriga, pegaram uma cadeira e a amarraram ali de frente as cabeças da coleção, entre elas la estava a de Rogério, então Luíza foi buscar um divertimento segundo ela, para que Sandra visse como era grande o esforço para que eles mantivessem uma coleção tão interessante.
Minutos depois, Luíza apareceu com Daniela, segurando pelos cabelos e a jogou no chão, suas mãos estavam amarradas e sua boca amordaçada, então ela pegou uma faca e começou a cortar aos poucos Daniela que se contorcia de dor. Passava a faca pelos braços e pelas costas e o sangue escorria, escorriam como lágrimas, de forma lenta e asfixiante. Os olhos de Sandra estavam perplexos diante da situação, ela não conseguia se mover e nem tampouco fechar seus olhos, ela parecia ter entrado em choque, estava perdida diante de todo aquele sangue e horror. Luíza era incrivelmente silenciosa, calma e sarcástica, dela ouvia-se apenas os risos, ela não transpirava e nem tremia, seus cortes eram perfeitos e de certa forma cruéis.
Por fim, Luíza não esperou mais e colocou um fim ao sofrimento da moça, pegou um facão, algo bem grande e de uma só vez arrancou a cabeça de Daniela. O corpo da garota ainda se contorceu por alguns segundos e espalhou bastante sangue pelo local. Luíza então pegou sua nova figurinha e a pendurou em um canto da prateleira.
O mais interessante em toda a cena, era que Eduardo estava calado e não fez nada além disso, permanecia imóvel, nem parecia se importar com o que via, logo os dois conversaram algo e saíram, deixando Sandra sozinha em meio todo aquele caos.
Passaram-se alguns minutos e Murilo chegou à fazenda, tocou a campainha várias vezes e ninguém veio atendê-lo, porém ele percebeu que a porta estava entre-aberta e entrou, gritou por sua amada e escutou um grito vindo do fundo da sala, ele foi até lá e percebeu que a tal porta estava trancada, atrás dele apareceu Eduardo, ele tinha em mãos um taco de baseball e avançou contra Murilo, conseguiu dar algumas pancadas nele, mas não obteve muito sucesso, o rapaz tomou o taco de suas mãos e começou a espanca-lo e a gritar para que ele pegasse a chave de onde sua namorada estaria. Murilo parecia dominar a situação, mas tomou uma facada pelas costas, logo foram duas, três, quatro e foram tantas que até se perdeu a conta. O rapaz caiu sem vida ao chão, o sangue escorreu por sua boca e ali ele permaneceu.
Antes que pudesse arrancar mais uma cabeça, Luíza foi repreendida por Eduardo, que estava furioso, dizia que aquela vítima era dele, que ela foi fraca por matá-lo tão rápido, ela não era profissional o bastante para tal coisa e a mandou para o inferno, pegou o corpo no chão, carregou até a porta no canto da sala, abriu-a e mostrou o que acabara de acontecer com o namorado da pobre moça que estava amarrada á cadeira.
Sandra se afundava em meio as suas lágrimas de dor, Eduardo pegou seu machado e começou de certa forma a cortar todas as partes do corpo de Murilo, desta vez ele parecia um monstro, fazia tudo num movimento de raiva e ódio, por fim ele arrancou a cabeça do rapaz, brincou um pouco com ela, usando-a como bola de futebol e depois de tudo guardou-a na prateleira.
Eduardo pôs-se de frente a Sandra e começou a esbofeteá-la e cuspir em seu rosto, uma humilhação muito grande e ele xingava e batia mais e mais, o rosto da pobre já estava vermelho. A garota desmaiou, mas com um pouco de água por perto, o rapaz despertou novamente a garota e continuou a insultá-la e a feri-la. Luíza observava séria de seu canto toda aquela cena, tinha um tom de desaprovação no ar, nos olhos dela ela se via no lugar de Sandra e via Eduardo como se fosse Adolfo. Então a raiva e a loucura tomaram conta de sua mente, ela avançou com sua faca e acertou em cheio o estômago de seu fiel amante. Este perguntou o porque de tudo aquilo, porque ela estava fazendo isto à ele, logo ele que sempre se manteve fiel a ela, que sempre a amou.
Luíza riu de tudo aquilo, e contou que sabia que ele não a amava, ele estava com ela por ódio, o amor da vida dele com certeza era Elizabeth, porém como não poderia mais ser feliz e nada mais faria sentido, resolveu seguir a ela. Luíza dizia ter percebido tudo isto a pouco tempo, ela percebeu que ele não seria seu príncipe encantado, o olhar dele parecia perdido em algum lugar, talvez ele sempre se lembrava de sua antiga amada ao ver o sofrimento alheio, ele não estava ali apenas por prazer e por esporte, ele não possuía este sangue frio, sua principal intenção era ver os outros sofrerem para apagar os gritos de Elizabeth de sua memória, ele se deixava levar apenas pela raiva. Eduardo com certeza fingia amor a Luíza todo este tempo, pois ela poderia proporcionar a ele bastante sofrimento alheio, o que era muito estranho por sinal, talvez Eduardo fosse mais louco que qualquer um que Luíza já teria conhecido, um psicopata com certeza, com motivos muito estranhos.
Num último suspiro antes de morrer Eduardo pronunciou algumas palavras:
_Eu nunca fui capaz de te matar, você é e sempre foi a pessoa que mais odiei em toda a minha vida, porém você esconde por dentro todo o seu sofrimento e toda a sua angústia, você sofre cada dia de sua vida, eu me sinto bem por isto, ver que você não é feliz, com este sorriso tão falso em seu rosto.
Então Luíza se levantou e disse:
_Você se engana, pois é apenas um inseto.
Ela se levantou, deu uma saída e voltou com uma bolsa:
_Tenho uma surpresa para ti amorzinho...ahahahahahaha.
De dentro da bolsa, conservada em gelo, lá estava a cabeça de Elizabeth, totalmente intacta e em bom estado, Luíza ria de forma alta e indelicada, mostrando o rosto da amada de Eduardo a ele, este chorava, se sentia arrependido de tudo o que fez, e Luíza acrescentou:
_Não se arrependa seu fraco, fez tudo o que fez para se arrepender agora, com certeza você é imagem e semelhança de Adolfo, apenas um idiota, viu como eu sou feliz, viu como eu me divirto com os outros, agora amorzinho descanse em paz.
Esta pegou sua faca e rasgou o pescoço de Eduardo impiedosamente. Ela ficou ali observando todo o sofrimento de seu mais novo antigo companheiro, logo depois se levantou e foi até a garota amarrada, que já estava num estado de dar pena e resolveu acabar logo com aquilo, pegou seu facão e com um golpe certeiro arrancou mais uma cabeça para a coleção.
Luíza olhou em volta de si, se sentiu satisfeita com o que viu, sua coleção logo seria imensa, deixou escapar um leve sorriso no canto da boca e foi descansar. Deitou em sua cama, parou para refletir e percebeu como eram tolos e sem graça, todos aqueles que ela conheceu, nem mesmo Adolfo conseguiria impressioná-la, ela não era mais apenas uma garotinha indefesa, ela era muito mais que isso, ela estava obcecada por sua coleção, aquilo era a sua vida, Luíza se tornou uma mulher obsessiva, prestes a sacrificar qualquer um para que sua coleção tão amada nunca tenha um fim.

Continua em: Coleção Obsessiva 6 (A Última Coleção)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.