22 de nov de 2011

O Filho de Brenda

Ela vivia em uma cidade pequena e quase deserta, seu nome era Brenda, esperava um filho nascer de seu ventre, ela se sentia tão feliz, tinha quase tudo que sonhava, um bom marido, uma vida simples e sem brigas.
Mas seu mundo desabou quando um profeta da cidade condenou a mulher dizendo que seu filho era o fruto do mal, seu marido religioso queria que ela abortasse a qualquer preço, mas ela não o fez.
O tempo se passou e o lindo casal acabou por se separar, seu esposo ficou tão triste que acabou por se enforcar.
Brenda era uma pessoa forte, levantou a cabeça e seguiu em frente, enfrentando a tudo e todos. Deu à luz à seu filho sozinha, ninguém se propôs a ajudar, queriam ver seu filho morto. E então ele nasceu, um bebê lindo e com muita saúde.
Ela o criou, deu seu amor à ele, seu nome era Jerry, este por ser tão carismático, acabou por fazer amizades. Na escola era o mais inteligente, as professoras sempre o elogiavam, tinha muitos amigos. mas então o profeta surgiu novamente e condenou a pobre criança, dizendo que este seria filho do mal, ninguém acreditou nele, principalmente por Jerry ser um menino tão bom.
Os dias passaram-se, e no jornal tinha uma notícia que deixou a todos muito espantados, o famoso profeta tinha sido esfaqueado até à morte na noite anterior, deram sua morte como um possível suícidio, pois a faca encontrava-se segura em sua mão e não havia chance alguma de alguém tê-lo assassinado.
O tempo passou, Jerry se tornou um homem forte e trabalhador, ajudava sua mãe de todas as formas. Na cidade estava quase tudo saindo bem, à não ser a grande onda de suícidios que assombravam a cidade.
Certo dia, no centro da pobre cidadezinha, apareceu uma mulher, que ria compulsivamente, como se tivesse ficado louca, ela possuía uma motosserra em sua mão, logo ela cortou uma de suas pernas na frente de todos, todos ali estavam em estado de choque, então ela cortou a outra, um velho da cidade tomou a arma da mão dela e num último gesto de insanidade e loucura ela enfiou a mão e logo o braço dentro de sua boca, e com toda a sua força, foi arrando suas tripas e as jogou fora, todos estavam horrorizados, enquanto Jerry, parecia se divertir com o sofrimento da pobre, logo depois ela caiu, como um boneco no chão, formava-se uma poça de sangue em volta dela.
Quando Jerry e sua mãe chegaram em casa, já era noite, foi quando sua mãe foi rezar e ele não queria aquilo, proibiu-a de rezar, ela então o enfrentou e num gesto de fúria deu-lhe um tapa, Jerry enfureceu-se e saiu pela rua como um louco, sua mãe atrás pedindo desculpas.
Ele parou no meio da cidade, e então se concentrou, as pessoas o olhavam curiosas, quando de repente viu-se uma mulher que batia a cabeça na parede, outro começou a engolir pedras, enquanto outro se comia num ato de selvageria e fome. Sua mãe então pode ver, o monstro que seu filho era, pessoas sangravam até a morte, foi quando sua mãe implorou, ela dizia que o amava, ele então chorou, viu o que tinha feito e era terrível, os que ainda estavam vivos olhavam-o num gesto de desprezo e nojo.
Ele pediu perdão a sua mãe, e cortou seu pescoço, começou a sangrar como um porco sacrificado, caindo-se para frente e dando adeus à sua pobre existência.
Enquanto sua mãe ficou de luto, a cidade festejava.
O tempo se passou, a cidade esqueceu dos acontecimentos passados, agora tinham novas preocupações, havia um assassino na cidade, matava a todos de forma cruel, e roubava suas cabeças.
Enquanto em sua humilde residência, a pobre Brenda, não tinha mais quase nada para alegrá-la, a não ser sua incrível coleção de cabeças humanas."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.